Mercantil Assessoria Contábil

tributacao-no-e-commerce

Tributação no e-commerce: entenda os impostos específicos

Considerado um dos mercados mais promissores para 2020, o e-commerce tem ganhado cada vez mais espaço no mercado. No entanto, muitos ainda não sabem como funciona a tributação no e-commerce e quais são os seus impostos.

 

Empreender de maneira digital tem se tornado o sonho de muitos brasileiros. No entanto, não estamos falando de um processo tão simples assim. Assim como em outros mercados, burocracias como as tributárias também vão fazer parte da vida de um negócio online.

 

Desse modo, quando um empreendedor decide abrir um e-commerce, ele precisa entender que terá que lidar com impostos específicos. Afinal de contas, você achou mesmo que ficaria livre de impostos no mercado digital?

 

Sendo assim, nós preparamos este artigo sobre a tributação no e-commerce. O nosso foco é apresentar quais são os impostos que deverão ser pagos por um empreendedor que decidiu investir neste mercado.

 

Acompanhe conosco tudo sobre as burocracias tributárias envolvidas no e-commerce e descubra como se manter em dia com todas elas. Leia o artigo até o final e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto!

 

Por que investir no e-commerce?

Antes de compreender como funciona a tributação no e-commerce, é fundamental entender o porquê tantas pessoas têm investido neste mercado. Isto é, o que justifica o seu crescimento nos últimos anos.

 

Em primeiro lugar, precisamos entender a revolução digital. A introdução da tecnologia no mercado de trabalho possibilitou vários novas oportunidades de trabalho. No entanto, não foi só o mercado que mudou.

 

Ou seja, o comportamento do consumidor também mudou, fazendo com que ele cultivasse o hábito de fazer as suas compras online. Fato que já se tornou preferência para 74% dos consumidores brasileiros.

 

Além disso, muitos enxergaram no e-commerce um modelo de negócios atrativo e que pode gerar bons retornos financeiros. Entre fevereiro e maio deste ano, o setor cresceu 71% e faturou incríveis R$ 27,3 bilhões.

 

Tais resultados despertaram o desejo dos empreendedores de entrar neste mercado. Contudo, nem todos sabem quais são as responsabilidades específicas do setor, como as burocracias tributárias e o pagamento de impostos.

 

Portanto, conheça a seguir quais são as responsabilidades tributárias que todo e-commerce deve cumprir. Acompanhe conosco!

 

Tributação no e-commerce: como funciona?

O primeiro passo que todo empreendedor deve compreender é a definição do melhor regime tributário para o seu e-commerce. Fato que, inclusive, demanda a ajuda de um serviço especializado, como uma contabilidade.

 

Ou você achava que uma contabilidade só atuava como suporte na hora de declarar o seu Imposto de Renda? Os serviços contábeis cumprem um papel fundamental no momento de auxiliar um empreendedor a formalizar o seu negócio.

 

Sendo assim, para entender melhor a tributação no e-commerce, é fundamental compreender cada um dos regimes tributários. Conheça o que cada um deles representa para um empreendimento a seguir:

 

  • Simples Nacional: Unifica o pagamento de impostos de um negócio, os recolhendo por meio de uma única guia. Regime ideal para empresas que apresentam um faturamento de, no máximo, R$ 4,8 milhões por ano.

 

  • Lucro Real: O cálculo de impostos como o IRPJ e o CSLL é feito tomando como base o lucro real de uma empresa. Recomendado para aqueles negócios com faturamento acima de R$ 78 milhões por ano.

 

  • Lucro Presumido: A própria Receita Federal faz, por meio de tabelas personalizadas, o cálculo do IRPJ e do CSLL a partir de uma presunção do lucro de uma empresa. Negócios com um faturamento abaixo de R$ 78 milhões por ano podem se enquadrar.

 

Portanto, após se enquadrar no melhor regime tributário para o seu e-commerce, é fundamental conhecer mais sobre a tributação. Se você tem dúvidas sobre quais são os impostos pagos neste mercado, continue a leitura!

 

Impostos para o e-commerce

Quando falamos em tributação no e-commerce, existem sim alguns impostos específicos, que se diferenciam de outros segmentos.  Dentre os impostos que todo empreendedor deve saber, temos:

 

  • ICMS (Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços);
  • IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados);
  • IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica);
  • ISS (Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza);
  • COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);
  • CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido);
  • PIS (Programa de Integração Social).

 

Também existem algumas taxas obrigatórias na tributação no e-commerce, como o INSS, FGTS e o DAS. Ainda é fundamental entender que a comercialização de produtos de maneira digital possuem uma tributação específica.

 

Desse modo, a principal especificidade é em relação ao ICMS que, antes, era cobrado apenas pelo Estado de origem do e-commerce. Agora, ele passou a ser competência do Estado de destino.

 

O ideal para entender a tributação no e-commerce é contar com o suporte de uma contabilidade ao seu lado. Aproveite também para entrar em contato conosco e descobrir como nós podemos te ajudar!

 

O que você achou do nosso artigo? Para mais informações, aproveite para acompanhar o nosso blog e ler outros conteúdos como este!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *